sábado, 15 de julho de 2017

O Julgamento de admissibilidade na CCJC da Câmara Federal





Acompanhei a votação na Comissão de Constituição de Justiça e Cidadania da Câmara Federal (CCJC) que discutia a admissibilidade ou não do processo contra o presidente Michel Temer pelo Supremo Tribunal Federal. Foi um espetáculo que em determinados momentos era cômico se não fosse trágico e uma coisa séria, em outros dava pena de ver até que ponto o ser humano (politico) se rebaixa tanto pelo Poder e pelo dinheiro não possuindo nada no que se diz ética e moral e ainda em outros momentos um maior entendimento da razão de muitos  detestarem a politica e os políticos. Enfim, assistir a sessão  na CCJC foi uma excelente aula de como é o mundo politico para que possamos sair da ignorância de quem é o politico e de fato tenhamos conhecimento de quem são estes personagens.

Primeiro: o politico não tem ética e nem moral, ou seja, pelo Poder e pelo dinheiro fazem qualquer negocio.

Segundo; o politico não tem lado definido, ele é um jogador do lado que está ganhando no momento e o que menos importa para ele é o pensamento da sociedade até o instante que dela (sociedade) precisar.

Terceiro; para o politico os meios justificam os fins, independente a sua consciência, isto é, para atingir seus objetivos vende sua alma para o demônio.

Evidentemente, este comportamento do politico é devido ao seu caráter que de certa forma, é o caráter do ser humano de uma maneira geral, ou seja, infelizmente, o ser humano na sua grande maioria é egoísta e para atingir seus objetivos é capaz de qualquer coisa e é por isso que existe a Lei, isto é, são as Leis que condicionam e freiam as ações das pessoas.

Voltando a sessão da CCJC o que se via lá! Os que eram favoráveis a admissibilidade do processo encontravam mil razões e milhares de argumentações plausíveis para aprovarem o encaminhamento do processo para o STF iniciar as investigações e o julgamento. No entanto, muitos deles se enfraqueciam pela atuação no processo de afastamento da ex-presidente Dilma, já que que foram ferrenhas em defenderem  a permanência dela na presidência.

Já os que defendiam Michel Temer, estes eram verdadeiros patéticos querendo justificar o injustificável, defender o indefensável. Estes ofenderam a inteligência dos brasileiros, rasgaram as mascaras que os cobriam suas caras e escaram para a sociedade seu verdadeiros caráter. Pois, a simplesmente, negação de investigar o presidente já os colocou do lado dele nas atitudes e ações, ou seja, negando a investigação anteciparam que são corruptos potenciais no mínimo.

Em suma, assistir a sessão da CCJC re, foi uma aula de cidadania ainda que, fosse como uma aula de anatomia, isto é, uma aula de dar nojo e para quem tem estomago forte. No entanto, foi uma aula de grande aprendizado para se conhecer de forma mais profunda quem é a pessoa do politico como também como é o ser humano quando a questão envolve Poder e o dinheiro.


Praticar a democracia por meio de voto é um direito que a sociedade não pode abrir mão dele. No entanto, é preciso conhecer as entranhas da politica e da personalidade do politico para que ao escolhermos candidatos não sejamos iludidos pela sua oratória e pelo dinheiro que está por trás dele e ter a consciência que ele na sua essência é ser corrupto (com raríssimas exceções). Ter também a consciência de que todo o bem que ele promover para a sociedade haverá sempre um interesse maior que não é a sociedade, mas sim, interesse pessoal ou para determinados grupos. Enfim, a sociedade precisa conhecer de como funciona o mundo politico em seu bastidor e a aula da CCJC foi importantíssima para nos ensinar que votar bem é necessário votar com a razão e não com a emoção. Ou seja, politica não pode ser paixão.

Ataíde Lemos  

domingo, 2 de julho de 2017

Os políticos e a sociedade



Observo como os políticos se apresentam ao povo e fico admirado pela forma arrogante, prepotente e dissimulada que fazem seus discursos como se as pessoas fossem alienadas e de um QI de terceira categoria.

Pois bem, eles se apresentam como deuses, somente falando de suas qualidades e feitos, bem como, usando dos temas atuais para auto se promoverem como pessoas dignas e imaculadas e ainda, defendendo a sociedade aprovando as ações que visam a depuração a classe politica. Enfim, todas estas encenações são diante a plateias, pois, nos bastidores é totalmente o contrário. Enfim, sintetizando diria que são demônios revestidos de deuses – evidentemente com raríssimas exceções.

Por que iniciar o artigo neste teor? Vamos lá: Primeiramente, é preciso dizer que o politico é uma pessoa estranha feita pela mídia e pelo dinheiro que o cidadão lhe dá a chave do cofre do município, do Estado e da União para que faça o que bem quer com os recursos financeiros e ainda lhes dite as regras as quais deseja impor a sociedade aparentemente revestida de democrática.

Segundo; o político não gasta R$0,01 centavo de seus recursos próprios, pelo contrario, é a sociedade que paga o seu cafezinho e o cafezinho que ele oferece aos seus amigos como também os banquetes, viagens, etc. etc... No entanto, ele se apresenta para a sociedade dizendo Eu fiz; eu gastei, eu paguei. Enfim, eu, eu, sempre eu...

A politica é um mal necessário, bem como o político também o é, no entanto, é preciso que a sociedade o veja com um novo olhar, ou seja, como um funcionário que é muito bem pago para fazer o mínimo que é gerenciar, legislar e criar politicas públicas os quais a sociedade será beneficiada como serão também beneficiados seus parentes de 1º,2º, 3º grau e gerações futuras. Isto é, ele faz para o povo e para si próprio.

Enfim, o cidadão precisa se valorizar deixando de ser levado pela hipocrisia daqueles que usam de seu dinheiro de impostos e se autodeterminam donos do País e da situação e aprendam a questionar as condutas e atitudes dos políticos. Um País só se torna melhor com uma sociedade mais critica e menos condescendente. Uma sociedade que se valoriza mais e seja menos infantil, ilusória e hipócrita.

Ataíde Lemos

Poeta e Escritor