quarta-feira, 7 de dezembro de 2016

A crise do Brasil



O Brasil enfrenta grave crise; crise econômica, politica, ética e moral. Uma crise que não nasceu ontem, mas, já vem de longa data. Se olharmos para o passado verá que ela se intensifica no governo petista. Por que no governo do PT? Porque foi ao longo deste governo que podemos observar um governo totalmente descomprometido com a ética, outrora pregado por ele; foi no governo petista de onde está sendo revelado o maior crime de corrupção já visto na historia da republica do Brasil. É no governo petista que se loteou o Brasil para os partidos políticos a fim de se construir uma estrutura de Poder. Enfim, quando alisamos o andar das investigações da Lava-jato os crimes contra o Brasil ocorrido na Petrobras, os algozes são na maioria os políticos que estavam aliados com o PT com pequenas exceções.

Ainda é preciso dizer que foi a partir do governo petista que se recriou a cultura de que pode rouba, o importante é fazer, ou melhor, é iludir os brasileiros que se está fazendo. Enfim, foi no governo petista que se montou uma verdadeira quadrilhas de políticos podres que compões todos partidos brasileiro com raríssimas exceções. No governo petista está a banda pobre de cacifes do PMDB e dos outros partidos.

Porém, a questão maior e o que gostaria de destacar neste artigo é a responsabilidade de todos nós brasileiros e principalmente daqueles que dizem que não se interessam por politica; daqueles que votam sem compromisso. Daqueles que omitem seu ato de cidadão e só fala mal de políticos e da politica fazendo do seu direito de cidadão uma mera obrigação sem compromisso.

Quando as pessoas se calam, se omitem os espertos aproveitam e esta crise que o Brasil atravessa é exclusivamente devido a esta falta de comprometimento da sociedade com a politica. Portanto, a crise em que o Brasil atravessa o responsável somos nós e como consequencia todos os brasileiros estão pagando um preço alto como a falta de emprego, mudanças nas leis trabalhista e previdenciária. Esta conversa que a previdência está quebrando devido o aumento da expectativa de vida dos brasileiros é tudo balela, a grande verdade, é que a Previdência Social é um saco sem fundo, aonde poucos recebem tudo do que é arrecadado e muitos não recebem quase nada do que são seus direitos. A questão das leis trabalhistas segue o mesmo exemplo.

Enfim, esta crise que o Brasil enfrenta precisa não somente passar o país a limpo em termos de corrupção, prisão dos políticos corruptos, mas precisa atingir de maneira especial os brasileiros para que despertem e tomem consciência de sua responsabilidade. Jamais os políticos poderão melhorar o Brasil se a sociedade não assumir a sua responsabilidade de melhorar a classe politica. Quem muda um País não é sua classe politica, mas sim o seu povo quando assume o papel de protagonista e não apenas o de  coadjuvante.


Ataíde Lemos 

segunda-feira, 3 de outubro de 2016

Quem são os vereadores



Quem são os eleitos (vereadores)? São os representantes do povo. São aqueles que representam parcelas de um segmento e também do pensamento de parte da sociedade. Podemos até não concordarmos com determinadas eleições de alguns vereadores, no entanto, temos que ter o cuidado de não fazer disto um ato discriminatório ou agir preconceituosamente.

São inúmeros fatores que levam a escolha de determinados candidatos a vereadores como, por exemplo: o fator bairro; a escolha de candidatos pelo segmento social, de trabalho e empresarial e até mesmo a escolha levando em conta a classe social e econômica da sociedade. Por exemplo, ao votar em determinados candidatos parte da sociedade leva em conta aquele que melhor poderá representar o seu grupo social, cultural, econômico. Por exemplo, os servidores públicos tende a escolher um servidor público.

Ainda é preciso ressaltar que além da escolha pelo segmento social, cultural, intelectual tem o fator emocional. Ou seja, de como o eleitor encara a politica e os políticos. Qual sua visão em relação a classe politica. Também o interesse pessoal. Em suma, é muito complexa a maneira de como o eleitor faz a escolha do vereador que não há como generalizar e sair atirando pedras nos eleitos e mesmo julgando a sociedade como um todo por determinadas escolhas feita.

Nem sempre o nível cultural, intelectual ou de alfabetização serve como critério para avaliar a inteligência, a habilidade empresarial e a idoneidade das pessoas. Quantas que mesmo sem um mínimo de alfabetização, ou mesmo pessoas que nasceram em famílias sem recursos para suas subsistências tornaram grandes empresários? E criaram impérios?

Em suma, os políticos refletem a sociedade em um contexto dentro de determinado período da história. Eles são células do povo que conseguem melhor persuadir e assim, conquistar o voto para representa-lo ou não no parlamento.

Ataíde Lemos

@ataidelemoss 

sábado, 24 de setembro de 2016

Temer e seu governo



Tenho evitado escrever sobre politica após o afastamento de Dilma do governo e observado a maneira de governar de Temer e gostaria de tecer alguns comentários:

Primeiro, ele é uma pessoa que possui um grau de intelectualidade bem superior ao de Dilma. Tem uma boa linguagem coloquial, expressa corretamente o português. Enfim, nos requisitos de etiqueta é bem superior a sua antecessora.

Segundo, Temer é um politico nato, portanto, é uma raposa na politica com muitas habilidades para lidar com os congressistas. No entanto, esta habilidade que ele possui é boa e nociva. Ou seja, ele é maquiavélico e também apaixonado pelo Poder.

Terceiro, Temer é um politico de partido, isto é, não só tem ambições de Poder pessoal como tem uma grande liderança partidária que atua para o partido, no caso, o PMDB.

Mas, voltando ao seu governo, o que observo é que Temer, tem tomado muitas medidas de falta de comando e isto leva a fortalecer a oposição enfraquecendo-o com a perda de confiança junto a sociedade e ai irá refletir no Congresso Nacional. Vejamos alguns fatos:

1.       Logo no inicio de seu mandato interino, voltou atrás ao abolir o Ministério da Cultura.

2.       Políticos de sua autoconfiança envolvidos em corrupção.

3.       Falta de comando quando ministros em entrevistas falaram demais e depois ele teve que ir a imprensa desmentir ou desautorizar tais entrevistas.

4.       Divulgação de detalhes das reformas das leis  trabalhista e previdenciária cuja repercussão foi totalmente negativa diante a sociedade.

5.       Agora recentemente, por Medida Provisória (MP) fazer uma reforma no Ensino Fundamental e Médio. Algo totalmente equivocada, pois, tais mudanças no Ensino, é um tema que precisa debatido entre todas as partes envolvidas na Educação. Ou seja, no mínimo, teria que ser enviado  um Projeto de Lei o qual houvesse um debate amplo na sociedade. Como resultado, já começa a voltar atrás mudando alguns pontos da MP.

Enfim, muitos desgastes desnecessários que ajudam a somar no coro foro Temer.

Em minha visão e acredito que o governo de Temer deveria iniciar de uma forma tranquila, serena sem espetaculização como foi o governo de Itamar Franco, por exemplo.

O problema fundamental hoje que afeta o País é o desemprego e deve ser isto a sua prioridade. Primeiramente, tomando medidas a pequeno prazo, ou seja, medidas emergenciais como, por exemplo, sanear o governo reduzindo gasto. Promover algumas politicas que fomente a geração de empregos estimulando as empresas, mas fazendo isto, dentro do que a lei permite hoje para que se evite desgaste politico e o enfraquecimento ainda mais popular.

Finalizando, Temer começou mal seu governo,  se não tomar rumo chegará ao seu final melancolicamente tal qual o de Dilma até ser afastada. Temer precisa colocar em mente que ele é um governo de transição e isto que deve ser seu foco.

Ataíde Lemos

@ataideLemoss 

quarta-feira, 31 de agosto de 2016

Presidencialismo; um sistema de governo ultrapassado



Começo este artigo dizendo que o presidencialismo é um sistema de governo ultrapassado que somente existe na maioria dos países subdesenvolvidos com exceção dos Estados Unidos da América (EUA). Neste país ele funciona porque  no EUA há uma cultura desenvolvida e ainda, há varias outras peculiaridades como, por exemplo, a forma como é escolhido e eleito os candidatos a presidência da república e também, o clico das eleições parlamentares ocorre no meio de um mandado presidencial. Ou seja, se um governo ou parlamento estiver indo mal os eleitores podem retomar o rumo e controle do país, trocando os parlamentares ou o presidente por meio de eleições no pleito seguinte.

Retornando ao tema e ao Brasil; por que digo que o sistema de governo presidencialismo é ultrapassado? O maior exemplo é o que estamos assistindo neste dia (31/08/2016). Vejamos; após longos 1 e 8 meses a presidente Dilma está sendo deposta, pois, na verdade, seu governo já havia acabado logo que tomou posse em 2015.

Foram quase 2 anos e 6 meses de crise politica e econômica em que nós brasileiros estamos pagando a conta com desemprego e uma estagnação no Brasil, originada por uma briga de Poder entre situação e oposição.

Caso o sistema de governo do Brasil fosse parlamentarista, Dilma seria eleita com suas prerrogativas dentro do Parlamentarismo e o seu primeiro ministro renunciaria ou seria desposto sendo trocaria trocado e, na condição mais grave, o Congresso Nacional seria dissolvido havendo novas eleições parlamentares e tudo se transcorreria normalmente.

Mas, voltando ainda no presidencialismo, porque há tanta dificuldade em ser extinto no Brasil e em outros países subdesenvolvidos como, por exemplo, na América do Sul. Simplesmente, porque este sistema de governo ao mesmo tempo em que dá força ao Congresso Nacional, também lhe tira. Ou seja, congresso governa através do 1º Ministro, no entanto, com a sua queda por falta de apoio popular e parlamentar o congresso também pode cair.
Outro ponto a se discutir e que leva os países subdesenvolvidos se negarem ao parlamentarismo é que, como sabemos no presidencialismo os países são loteados pelo Executivo, facilitando a corrupção dos políticos e dos Partidos que dão sustentação ao governo. Enfim, no presidencialismo há uma maquiagem de democracia, no entanto, o que impera é a facilidade da corrupção e a possibilidade de uma ditadura disfarçada de democracia.

Outra necessidade importante além da mudança de sistema de governo para o Parlamentarismo ocorra de fato é fundamental que haja o voto distrital misto, ou seja, parte do Congresso Nacional precisa ser eleita por eleitores de sua região. Não dá para um candidato de quatro em quatro anos sair do norte de seu Estado angariar votos no sul ou vice-versa ou ainda, vir do leste pedir voto do Oeste.  Muitos podem dizer que tais candidatos obtêm poucos votos nestas localidades opostas, porém, é preciso ressaltar que de voto em voto que um candidato se elege e que muitas vezes, a diferença de um eleito para um suplente pode ser apenas de um voto.

Enfim, este tema é um assunto que dá para escrever um livro e não uma página, porém, este artigo é uma sintetização para afirmar que, se o Brasil quiser mudar de verdade e não apenas ficar sendo remendado aqui acolá, é fundamental que este País mude o sistema de governo, adotando o Parlamentarismo e o voto distrital misto.

A conversa de que a cultura do Brasil é presidencialismo é retorica de políticos que desejam deixar as coisas como estão. Querem continuar a mamar nas tetas do governo. É de políticos que desejam continuarem com seus currais eleitorais em seu novo modelo.  

Se você concorda com este artigo convido a compartilha-lo nas redes sociais. Precisamos nos mobilizar para que nosso país se desenvolva politicamente, econômica e culturalmente e assim, pressionarmos o congressista fazerem de fato uma reforma politica que contemple a sociedade e não eles.

Ataíde Lemos

Escritor & Poeta

sábado, 28 de maio de 2016

Efeito Sergio Camargo




Sempre fui favorável à saída de Dilma e do PT do governo por tudo que sabemos; corrupção, desgoverno, loteamento do Estado, etc., etc. No entanto, pelo que se desenha a partir das novas delações premiadas que estão ocorrendo envolvendo a cúpula do PMDB antes do afastamento sumario de Dilma no Senado Federal, e ainda, somando a algumas medidas tomadas pelo presidente em exercício Michel Temer em desencontro da população, corre-se o risco de Dilma voltar ao Poder.

Michel Temer em pouco tempo de governo, se vê envolvido em vários incêndios que está precisando apagar, alguns deles por sua própria responsabilidade como, por exemplo, a escolha de ministros envolvidos com corrupção. Agora com a delação de Sergio Machado a coisa se complicou, pois, tem vindo à tona muitos nomes da alta cúpula do PMDB e isto certamente, fragilizará seu governo, haja vista, que um dos principais motivos da população sair às ruas pedindo o afastamento de Dilma é a corrupção.

Por outro lado, vê-se Dilma e o PT se fortalecendo novamente por vários fatores como:
1)      Medidas antipopulares tomadas por Michel Temer. Entre algumas podemos citar o cancelamento de novos contratos com o Minha Casa, Minha Vida; projetos de lei que mudam nas regras da Previdência Social e leis trabalhistas.

2)      Nomes da cúpula do seu partido, o PMDB, citados em corrupção.

3)      Nomes de ministros (pessoas de sua confiança) envolvidos em corrupção.

4)      O conhecimento público  de que o Movimento Brasil Livre  (MBL), foi financiado pelo PMDB para liderar manifestações a favor do  impeachment.

Enfim, são situações que podem mudar o voto de senadores no julgamento do impeachment de Dilma no Senado Federal.

É preciso ressaltar ainda que o PT está no fundo do poço e agora para ele tudo que vier será  lucro e com a atual conjuntura  vários fatos novos que surgindo como por exemplo,  a delação de Sergio Machado, deu-lhe novas esperanças. Portanto, sua militância vai fazer o máximo para inflamar a sociedade e assim, pressionar os senadores votarem a favor de Dilma no julgamento no Senado Federal.

Em suma a novela continua e pelo visto está longe do seu final e enquanto, isto a população fica envolvida neste jogo politico sem definição de quando o Brasil de fato vai tomar rumo definitivo. Estamos mergulhados numa crise politica jamais vista por esta geração.

Ataíde Lemos

Escritor & Poeta

sexta-feira, 20 de maio de 2016

O impeachment e o governo Temer



O Impeachment não foi golpe, foi uma decisão politica a partir de um fato jurídico que poderia ou não determinar o afastamento de Dilma.

A legitimidade de Temer assumir a presidência é inquestionável, já que a Constituição Federal o legitima, pois, o vice-presidente é o sucessor direto na ausência do presidente. Portanto, pedir novas eleições, isto sim, é um golpe.

A saída de Dilma se deu evidentemente, pela falta de sustentação politica que já havia desde o inicio de seu 2º mandato que foi costurado por uma base fisiológica e construído sem alicerce.  Outro fato também que colaborou com seu afastamento foi à forma como ela se reelegeu, isto é, mentiu para o brasileiro que o País estava bem além da enorme crise de corrupção que aflorava nas empresas estatais como, por exemplo, a Petrobras. Enfim, ela já estaria fora do governo deste as eleições de 2014.

Outro fato que ainda colaborou foi a sua impopularidade, não há mínimas condições de um presidente, governador, prefeitos  continuarem no Poder se a imensa maioria da sociedade não acredita, não confia em seus governantes, isto é elementar. Embora, a minoria tem direitos numa democracia, a maioria tem o poder de decisão. Ou seja, na democracia deve prevalecer o direito da maioria e isto ficou evidente nas manifestações que ocorreram por todo o Brasil. Portanto, o Congresso Nacional apenas convalidou o que a maioria da sociedade reivindicou.

No entanto, o estrago feito pelo governo do PT e da presidente afastada Dilma, é de grande proporção a tal ponto que pode s prejudicar as pretensões politicas de Temer, isto também é inquestionável, pois, dificilmente ele irá conseguir atingir popularidade a não ser que também passe a promover politicas assistencialistas e populistas. É importante ressaltar que, o que elege um presidente não é a qualidade do voto, mas, sim a quantidade e, em governos de países subdesenvolvidos como no caso do Brasil, o qual a imensa maioria da população precisa do assistencialismo de governos, este expediente é o que garante os votos para muitos políticos se sustentarem no Poder.

Em suma, temos uma grande chance de nas próximas eleições em 2018, ocorrer o retorno de um governo de centro-esquerda, caso de fato, Temer faça um governo de austeridade e sem politicas assistencialistas e populistas. Pois, caso faça  um governo serio, chegará ao fim de seu mandado com um alto índice de rejeição e impopularidade. Repito, chegará desta forma, devido as condições com que assumiu o Brasil.

Ataíde Lemos

Escritor & Poeta 

quarta-feira, 18 de maio de 2016

segunda-feira, 16 de maio de 2016

O PMDB na contramão do País



O Brasil vinha seguindo um curso normal a partir de 2002 com a estabilização da moeda, inclusive, com algum crescimento. Também estava num crescimento de politicas inclusivas tanto na Educação como nas áreas sociais

No entanto, o governo do PT, para manter-se no Poder e também visando o enriquecimento ilícito dos companheiros começou uma grande sangria nas empresas como, por exemplo, nos correios, na Petrobras e em outras empresas estatais através de licitações fraudulentas. Ou seja, durante 13 anos o governo do PT, juntamente com seus aliados, incluindo o PMDB e várias outras siglas que lhes deram sustentação politica foram minando o País. A roubalheira foi tão enorme que até leis por meio de Medidas Provisórias foram elaboradas para promover a corrução visando atender empresas do setor automobilístico e outras.

Enfim, toda esta roubalheira fez com que o governo fosse obrigado ficar com o pires na mão e de rabo preso promovendo um total desgoverno e assim, criou-se um poço sem fundo, gerando a necessidade de cada vez mais obter recursos, aumentando a arrecadação já não havendo mais dinheiro suficiente e desta forma, o País foi enterrando em dividas ao ponto de se decair num processo de retrocesso econômico, fazendo que as empresas brasileiras entrassem num colapso econômico sem procedência, gerando o desemprego e com isto, a inadimplência da população brasileira contraída em dividas e sem emprego não tem como pagar suas contas. Enfim, instalou-se no Brasil uma crise econômica que paralisou o País e vários programas sociais.

Pois bem, agora sai o PT e entra o PMDB, coautor da crise e, tudo que ele negou-se a fazer entravando o Congresso Nacional, propõe, isto é, mexer na previdência social, aumentando o tempo para aposentadoria e outras medidas mais que deve anunciar.  Propõe mexer nas leis trabalhistas atenuando direitos e certamente, aumentando impostos. Vem novamente, com a proposta da reinstalação da CPMF como solução de aumentar arrecadação. Ou seja, surge o novo governo com medidas que vai contra a população brasileira.

Não quero aqui defender Dilma e nem o PT, pois, eles foram reesposáveis pelo estado que se encontra o País, no entanto, criticar o PMDB, que como corresponsável por também quebrar o País, vem querer impor sacrifícios aos brasileiros por meio de retiradas de direitos e aumento da carga tributaria e ainda, receber de toda população brasileira impostos por meio da CPMF. 

Ao invés de proporem a diminuição dos gastos da máquina pública de maneira radical, a diminuição do tamanho do Estado. Reestruturar a economia através de ações que incentive a economia a crescer e assim gerarem mais empregos, melhorando o caixa da previdência querem resolver o problema de caixa e de desemprego nos ombros dos brasileiros e trabalhadores.

Em suma, o estrago que feito não pode ser concertado da forma como este governo propõe; sacrificando ainda mais as indústrias e os brasileiros. No meu entender, o que o governo precisa é fazer a lição de caso, isto é, economizar cortando gastos e reduzindo o tamanho do Estado. Enfim, um trabalho de médio e longo prazo.

Para estancar o aprofundamento da crise no Brasil é fundamental a confiança no atual governo junto à população brasileira e é isto que ele precisa fazer.


Ataíde Lemos 

sábado, 14 de maio de 2016

O governo de Temer


Em artigo anterior, escrevi que o Brasil está numa encruzilhada, pois, se de lado é fundamental que o PT seja destituído do governo com a saída de Dilma, por outro, o PT não iria vender barato a sua saída do Poder. Parece-me que não estava errado, pois, já começamos a observar os “movimentos sociais” com, por exemplo, o MST, já agitando invadindo fazendas, bloqueando rodovias como a mídia já vem anunciando. Ou seja, poderemos entrar numa guerra civil branca ou vias de fatos.

Não há duvidas que o Brasil, encontra-se quebrado economicamente, e para que o País possa começar a sair do estado em que se encontra, medidas antipopulares serão necessárias. Além de o governo fazer a parte dele como reduzir os gastos da máquina pública. Porém, muitas das medidas antipopulares passarão pelo Congresso Nacional. Certamente, num ano eleitoral dificilmente, o governo encontrará apoio para aprova-las. Muitos parlamentares dizem estar prontos a colaborar com o governo, no entanto, na hora de aprovar tais medidas muitos deverão pular fora, já estamos vendo um exemplo claro com o Partido do Solidariedade, partido que apoiou o afastamento de Dilma, mas, já anuncia que não aprovará leis  que afetam os trabalhadores e assim, deverá ocorrer também com o PTB e outros partidos que são afins com as causas sociais e trabalhistas.

Ainda é preciso ressaltar, que o novo governo não goza de credibilidade moral e ética junto à população, por ns motivos como, por exemplo, o PMDB é um partido corresponsável pelo Brasil encontrar-se onde está, haja vista que durante o governo Lula e de Dilma (diretamente como vice-presidente) apoiou muitas medidas que levaram o país a este estado de situação. Outro fato é que muitos do PMDB, inclusive o atual presidente e alguns de seus ministros estão citados tanto na Laja-jato quanto em outros ilícitos de corrupção ditos por Delcidio Amaral em delação premiada. Portanto, o novo governo está maculado e oferece muita munição tanto aos petistas inconformados que podem inflamar a população dificultando seu governo e até chegarmos ao caos total.

Enfim, repito, o Brasil está numa encruzilhada e que, ainda que algo positivo ocorresse com a destituição do PT do governo, não pode comemorar dias melhores e deverá ir se arrastando até 2018, já que qualquer outra medida que se tome é inconstitucional. Só esperamos que este governo não tente um golpe que seja esticar seu mandato por meio de PEC que elimine a reeleição, porém, estique o mandado de Temer mais um ano, ou seja, aumente de 4 para 5 anos. Ou ainda, crie PEC que mude o regime de governo para Parlamentarismo e assim, retire do eleitor o direito de escolher seu real presidente delegando ao Congresso Nacional através do 1º Ministro e assim, o presidente da republica seja apenas uma figura decorativa.


Ataíde Lemos 
Escritor & Poeta 

quinta-feira, 12 de maio de 2016

Doze de Maio de 2016, um dia histórico


Dia 12 de Maio de 2016, é um dia que ficará marcado na história politica brasileira, não tanto pelo afastamento de Dilma Rousseff da presidência da república, mas sim, pela queda do Partido dos Trabalhadores (PT), que por 13 anos esteve no governo minando o Brasil, por meio da corrupção fazendo um loteamento do País para construir uma estrutura de Poder.

Certamente, um ponto positivo na queda do PT foi a substituição não ter sido pelo PSDB, pois, isto perde força no discurso dos petistas, pois, o algoz foi o seu próprio aliado (PMDB) que permaneceu por longos anos como vice-presidente e ao perceber que Dilma não resistiria resolveu debandar e unir-se a oposição para assim, assumir o Poder.

É preciso ressaltar que a saída do PT do governo foi um enorme avanço e uma conquista dos brasileiros que saíram as ruas e pediu o impeachment da presidente tão logo ela assumiu o mandado em 2015, na medida em que a operação Laja-jato revelava a grande sujeira e corrupção que estava vindo a tona na Petrobras. Foi, sem duvida, este o principal motivo que levou multidões as ruas exigindo moralidade e a ética na politica.  

Com o passar do tempo novos fatos foram surgindo e cada vez mais, a sociedade brasileira se indignava e os partidos de oposição pegavam carona nas manifestações se fortalecendo e aglutinando mais políticos para que de fato ocorresse o  impeachment da então, presidente.

Enquanto, a população pedia a saída de Dilma, o Congresso Nacional, fazia sua briga aparte com o Executivo, obstruindo e colocando empecilhos para que o governo governar, foi assim no Senado  como na Câmara Federal, nesta ultima, foi ainda pior, já que o presidente Eduardo Cunha, era um ferrenho opositor  do governo que através de artinhas politicas fazia de tudo para que Dilma não conseguisse governar. Enfim, com uma popularidade altamente em baixa e sem apoio no parlamento o fim do governo era uma questão de tempo.

No decorrer do tempo, o oposição conseguiu um álibi jurídico perfeito, para que de fato o impeachment pudesse de fato prosperar, isto é, o Tribunal de Contas da União (TCU), detectou crimes de responsabilidade praticados praticadas por Dilma o qual deu a munição necessária para que a oposição pudesse dar inicio ao processo de impeachment e assim, o então, presidente da Câmara por vingança (segundo o governo) ou não pôde ter base legal para a iniciação do processo.

Certamente, a popularidade pode não ser um motivo primordial para a destituição de um governo, no entanto, uma presidente que está envolvido até o pescoço em corrupção; uma presidente que provoca a falência de um País. Uma presidente que não tem base mínima politica para dar continuidade em seu governo; uma presidente que se sustenta capengamente por meio do fisiologismo como manter-se? Ou seja, ainda que, possa-se considerar leve o crime de responsabilidade  cometido pela presidente, ele torna-se relevante para que os meios justifiquem os fins. Ou seja, o crime por ela praticado, tornou-se fundamental para o seu impeachment e assim, o Brasil, pudesse voltar a ter uma nova esperança, embora, saibamos que o PMDB tem muito a explicar para a Nação bem como o novo presidente Temer, já que ele também está envolvido na sujeira em que está o PT.

Portanto, mesmo com a destituição do PT a luta continua e os brasileiros que são os protagonistas desta mudança ocorrida neste dia histórico (12/05/2016) não abandonaram a guerra, apenas, venceram uma batalha, mas, continuam entrincheirados e prontos para a continuidade da luta por um Brasil melhor; um Brasil com mais ética e menos corrupção.   

Ataíde Lemos

Escritor & Poeta

sábado, 30 de abril de 2016

O novo governo e Eduardo Cunha



O Brasil se prepara para um novo ciclo a partir do afastamento da presidente Dilma. Todos nós sabemos que não será fácil, pois, infelizmente, devido ao desgoverno que gerou a paralisação, ou melhor, o retrocesso da economia brasileira promovendo um alto índice de desemprego e também, o empobrecimento do país, tudo isto, custará sacrifícios da população brasileira e um certo tempo para que o Brasil possa se estabilizar e assim, voltar a crescer.

Certamente, a saída da presidente Dilma, não será facilmente ingerida pelos movimentos sociais que deverão tumultuar o novo governo por meio de manifestações e outros meios. Também, o novo governo que se instalará encontrará muita resistência da oposição que será formada no legislativo, haja vista, que muitos integrantes deste governo novo estão envolvidos em vários crimes de corrupção, principalmente, na operação Lava-jato. Ou seja, um governo que embora, constitucionalmente constituído é imaculado por vários crimes de corrupção, incluindo o presidente da câmara federal Eduardo Cunha, que tudo indica é protegido pela cúpula do partido e  futuro presidente.

Portanto, ainda que, através do afastamento da presidente Dilma e a saída do  PT no comando do governo, haveremos uma esperança de retomada do crescimento e vários outros benefícios. No entanto, como dito acima, o governo que se estabelecerá enfrentará muitos obstáculos e o efetivo restabelecimento da ordem e do progresso do Brasil deverá somente acontecer em 2018 quando os brasileiros poderão de fato escolher seus reais representantes.

Enfim, o Brasil está caminhando passo a passo e o primeiro já foi conquistado com a destituição da presidente Dilma e do PT do governo, agora é seguirmos em frente destituindo Eduardo Cunha, através de seu afastamento presidência também do parlamento, pois, enquanto isto não ocorrer, a população brasileira não reconhecerá em Temer um presidente serio capaz de conduzir o País. Eduardo Cunha foi um mal necessário para que ocorresse o afastamento da presidente Dilma, no entanto, agora ele se torna um mal fundamental para restabelecer a credibilidade no próximo governo.

Embora, o Brasil possa voltar a se estabilizar e restabelecer o desenvolvimento, o PSDB precisa ter a cautela necessária para manter-se como um partido que colabore com o novo governo, porém, ainda num compasso até que o futuro presidente Temer mostre de fato ao que veio e quais as suas reais intenções. Ou seja, a saída de Eduardo Cunha do legislativo com o apoio do PMDB, será a maior demonstração do partido e Temer que vá construir de fato a confiança do povo brasileiro, pois, sem isto, este novo governo estará já nasce morto.

Ataíde Lemos

Poeta & Escritor 

terça-feira, 15 de março de 2016

O Brasil vai vencer o PT


O Brasil vive um quadro negro na sua história, uma guerra politica, onde de um lado está o governo totalmente cambaleante e desgovernado e do outro a oposição junto com a  sociedade que se manifesta indo as ruas, pedindo fora o governo.

Há mais de doze anos já se previa este caos.  O PT seria um desastre para a Nação caso assumisse o governo, foi por isto, que muitos brasileiros não gostavam do PT, pois, já anteviam qual seria o futuro do Brasil, e está ai o futuro, um país quebrado; um país loteado; um país que foi levado num mar de corrupção cujo autor estrategista do roubo é o governo do PT.

O PT recebeu um país com crise? Sim, mas um país estabilizado na sua moeda, com vários programas sociais em andamento e está saindo deixando um país totalmente quebrado, cujos brasileiros terão que pagar com mais sacrifícios para reerguê-lo. Pois, será assim, para nosso Brasil voltar a crescer terá que se reorganizar suas finanças e certamente, levarão alguns anos para que isto ocorra.

O PT reluta de todas as formas e com todas as forças para manter-se no Poder, porque sabe que ao deixa-lo, muitos de seus lideres serão presos, pois, não terão mais o apoio de seus comparsas. Se mesmo no governo o PT tem lideres cumprindo pena, quando não estiver no Poder não terá mais blindagem.

Porém, enquanto o PT se segura como pode no governo, assistimos um país paralisado; um país descendo o abismo da ética e da moral e financeiramente.  assistimos uma guerra aonde vale tudo para ele não perder o Poder.

Porém, o Brasil é forte e saíra deste quadro negro fortalecido porque os brasileiros não entregam os pontos. Os brasileiros são ordeiros e aguerridos, pudemos ter como exemplo, o ocorrido neste ultimo dia 13 de Março, aonde uma massa gigantesca de brasileiro saíram às ruas exigindo que a lei seja cumprida e que este governo seja destituído.


Ataíde Lemos 

segunda-feira, 14 de março de 2016

Treze de Março, um dia histórico

Fico triste quando ouço algumas pessoas criticarem as manifestações que estão sendo realizadas contra a corrupção; pedindo a saída da presidente Dilma; afirmando o apoio ao trabalho da La-jato e ao juiz Sergio Moro e a PF (policia federal).

Alguns dizem: “não vai mudar nada se tirar a Dilma de lá” outros “politico são todos iguais.” Não é bem assim. Este tipo de comentários ou de pensamentos é mais uma educação mentirosa que o PT introduziu, para que as pessoas mantêm-se alienadas.  

É importante neste momento que o governo seja deposto e juntamente com ele o PT. É evidente que a corrupção nunca irá se acabar, no entanto, neste governo petista o que roubaram do Brasil jamais ocorreu, são bilhões e bilhões. Enfim, este governo quebrou o Brasil, portanto, ele precisa ser destituído e sair de forma democrática e manifestar é um direito constitucional que tem por objetivo pressionar os parlamentares para que promova o impeachment.

É preciso ressaltar que há apenas três vias democráticas deste governo deixar o Poder: pela cassação do diploma através do STF que é a constatação que houve crime eleitoral; a renuncia da presidente Dilma e a por fim, o  impeachment através do Congresso Nacional, portanto, as manifestações que estão ocorrendo por todo o país é a forma mais eficiente para mobilizar os congressistas.

Outro fato importante é que não basta derrubar um governo e sim surgir novas lideranças. O Brasil precisa de novos líderes políticos e um movimento com tal proporção, como o ocorrido neste ultimo dia 13 de março, certamente, ocasionará o surgimento de novos lideres. 

Partindo destes pressupostos acima colocados, as manifestações ocorridas são fundamentais para que de fato este governo caia e da mesma forma é preciso que aqueles que são descrentes a politica e dos políticos não deixam ser levados pela onda do PT.

Também é preciso que estas manifestações contra este governo não tem nada haver com a oposição que o PT insiste em afirmar, elas estão sendo organizadas pelas instituições civis que está dando um basta a corrupção, no entanto, a derrubada do governo precisa contar com a oposição.

Finalizando, você que está descrente, que acredita que mesmo Dilma caindo ficará tudo do mesmo jeito, erga sua cabeça, restaure sua autoestima e acredite no Brasil na força da união. Pense bem, se ocorrer esta manifestação neste histórico Treze de Março de 2016 é porque cada brasileiro sentiu que ele pode mudar a história. Foi a decisão de cada cidadão que levou mais de três milhões as ruas por todo o Brasil. Ou seja, a união fez a força.

Ataíde Lemos

Poeta & Escritor 

sexta-feira, 11 de março de 2016

O futuro Brasil em nossas mãos

O Brasil encontra-se numa profunda critica econômica, ética e politica que somente conseguirá sair dela com a mudança de governo.  Dilma perdeu a credibilidade total sem as mínimas condições de manter uma governabilidade. Quase os partidos que ainda mantém-se aliado ao governo, nos bastidores articulam para a derrubada deste governo e um deles é o PMDB, partido que possui um maior número de parlamentares na base. Este comentário se confirma quando o vice-presidente Michel Temer foi conversar com Aécio Neves, presidente do PSDB, partido este  que possui maior número de parlamentares da oposição e que articula o processo de impeachment.

                Enfim, tudo se caminha para o impeachment da presidente Dilma, no entanto, é fundamental o engajamento de todos os brasileiros para que através das suas participações pública, por meio das manifestações populares que estão sendo organizadas por todos os Estados e várias cidades os parlamentares se sintam pressionados a de fato concluem o impeachment. A população unida certamente será o agente fundamental para que o Brasil consiga superar esta atual crise.

                A economia é um termômetro que indica a necessidade da saída da presidente, basta observamos que diante os novos fatos que surgiram que veio a público da participação de Lula na corrupção da Petrobras e também o envolvimento de recursos ilícitos na reeleição de Dilma para que a Bolsa de Valores reagir positivamente bem como o dólar voltar a cair. Ou seja, o mercado já percebeu que o impeachment está próximo.

                Partes dos brasileiros precisam deixar de serem pessimistas, deixando-se contaminar pela onde negativa que alguns procuram induzi-los, ou seja, acreditar que a saída de Dilma e do PT do governo não vai mudar nada. Isto não é verdade, pois, a destituição destes do Poder, certamente, unirá o Brasil. É importante ressaltar que a saída deste governo, significa a mudança de todo um grupo e em contrapartida, os que assumirem, terão uma grande responsabilidade sobre seus ombros.

                 Reitero que é fundamental a participação de todos brasileiros que não estão satisfeito com este governo por tudo que tem praticado contra o nosso Brasil e que está afetando cada um de maneira particular.  Por isto, é necessário que não os brasileiros não permaneçam indiferentes a toda esta triste realidade o qual o país está atravessando.  


Ataíde Lemos 

sábado, 5 de março de 2016

O Brasil sendo passado a limpo



O Brasil vive um dos mais críticos momentos de sua historia politica, onde um grupo de políticos assumiu o Poder e promoveram uma desordem pública bem como promoveram um dos maiores roubos nos cofres da Nação.

Há mais de uma década o Brasil vem sendo roubado e hoje o resultado é um país quebrado, onde cada dia mais aumenta o desemprego e os cidadãos estão enfrentando uma alta inflacionária sem uma perspectiva de melhora. É fácil detectar a preocupação da população que está perdida e sem rumo. O povo brasileiro ainda mantém certa serenidade, porque é um povo ordeiro e de paz, e de certa forma também se encontra anestesiado e assim, sem reação.

O atual governo construiu uma facção aonde conseguiu montar um grande exercito nos Poderes constituídos, aliciando pessoas para trabalhar para ele e assim, manter-se blindado.

O que ocorre no Brasil atualmente é algo que jamais se viu neste país após o fim do militarismo. O noticiário da crise instalada no Brasil é manchete em todas as mídias brasileira ocupando o maior tempo delas. Os noticiários destacam os fatos políticos deste o inicio ao termino de seus horários.

Graças determinação de um juiz (Sergio Mora e sua equipe), também a policia federal (PF), está vindo à tona todo este mar de corrupção que vem ocorrendo nas empresas públicas como a Petrobras e outras. Graças determinação destes personagens acima citados, vários políticos e empresários estão sendo presos e o Brasil está sendo passado a limpo.

É fundamental ressaltar que a crise econômica pelo qual o Brasil atravessa tem como responsável este governo que na verdade, é um desgoverno que por meio de corrupção conseguiu quebrar o país. Mas, sempre há uma esperança e ela se vislumbra quando observamos  os indicadores econômicos, basta surgir fatos que podem levar o impeachment da presidente , a moeda brasileira se valoriza frente ao dólar e a Bolsa de Valores sobe. Ou seja, a esperança está na destituição deste governo.

Não podemos perder a esperança, precisamos acordar desta letargia o qual nos encontramos e acreditar em nosso País. Não podemos deixar ser levados pela educação que, de todas as formas este governo procura nos introduzir, ou seja, “todo mundo rouba” e “todo mundo faz”. Isto não é verdade, o brasileiro em sua grande maioria é honesto, não rouba e assim, ele não concorda que os outros roubam. O Brasil é dos brasileiros e não de meia dúzias que desejam apropria-se dele.


Ataíde Lemos